29 novembro, 2014

Novembro

O avião não caiu na Paulista_graças a Deus_então finalizamos bem esse mês.
Deixando de lado o mi-mi-mi da correria de final de ano_que uma hora acabada_e falando das coisas legais:
teve a visita do meu irmão, teve bateção de perna por São Paulo, teve almoço no restaurante africano depois de andar 17 léguas e meia procurando a rua_claro, a gente se divertiu mas meus pezinhos doíam ainda mais que eu estava carregando 2kg e meio de máscaras para cabelo no ombro. Não, não sou exagerada é que eu achei a última loja do mundo (ok, agora estou exagerando) que tinha uma máscara que eu tanto gosto em estoque_, teve a 1ª comunhão do Luca, teve o aniversário da Bia, conclusão de curso no Consolador e para fechar o mês com coisa boa soube hoje que o Felipe, meu sobrinho, passou no vestibular para Engenharia Mecânica!
Também dei um tempo com os livros espíritas e quebrei a regra "não gosto de ler o livro quando eu já o filme" e li dois: "O lado bom da vida" que ganhei da minha amiga Juliana e "Um home de sorte" que o Felipe me emprestou. Gostei dos dois. E ambos me ajudaram o ir e voltar do trabalho passarem em 10 minutos. Como são leituras leves e que prendem, mesmo cansada e não querendo muito "ver" o trajeto era só sacar o livro da bolsa que parecia que em 10 minutos eu estava na estação Capuava.
Amo os livros espíritas, mas por trazerem muitas informações importantes, é uma leitura que exige mais, pelo o menos de mim. Não é ler por ler. É ler, entender e fazer um esforço para guardar tudo aquilo na mente.
Daí, juntado o cansaço, trabalhando até tarde e com 1h e meia de trajeto no transporte público essas leituras mais "light" me salvaram.
Também assisti dois filmes que eu gostei muito: Se eu ficar e o Um conto chinês que de quebra é com o Ricardo Darín (suspiros).
"Se eu ficar" não sei se eu estava emotiva no dia mas me fez chorar. A história é bonita e apesar da dor e da tristeza é um filme leve. 
"Um conto chinês" faz tempo que eu queria assistir e gostei muito. Quis trazer o chinês pra casa de tanta dó que fiquei dele. E fiquei pensando o quanto de nós teria a mesma atitude do personagem do Darín e mesmo assim quando o fazemos o quanto é difícil tal ação já que compromete a nossa rotina, o nosso conforto, etc.
Mas uma fala do filme retratou bem a forma como eu penso: se fosse eu, perdida na China, sem falar o idioma, ficaria extremamente grata se alguém fizesse isso por mim.
Agora, vamos aguardar que dezembro não seja tão punk, que a correria chegue ao fim, e que possamos encerrar o ano em paz.
E que venha a faxina de final de ano na casa! (aí, aí, só de pensar minhas costas já doem mais do que já estão doendo...quero férias de verdade!)




6 comentários:

  1. Quanta coisa emocionante minha querida Alda! A vida apesar de muitas vezes ser confusa, cheia de muita coisa triste que por vezes faz agente desanimar, tem também momentos mágicos, simples e belos, que fazem a vida valer a pena!
    Que o próximo mês seja abençoado para todas nos!

    ResponderExcluir
  2. Tia Tatá,eu me delicio vendo tuas postagens de fim de mês....é tanta coisa linda e boa!!!!Amo as fotos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto de escrevê-las Cris pois é uma forma de perceber que, por exemplo, novembro não foi só um mês corrido e cheios de compromisso, coisas boas aconteceram!
      Só o fato de ter assistido dois filmes já me fez ver o mês com uma cara diferente.
      Novembro foi bom pra caramba!
      =)

      Excluir
  3. Quanta coisa né Tia! kkk Que bom que gostou de um homem de sorte.. tenho mais 3 do autor.. se quiser tá mais que emprestado já! E o 'se eu ficar' assisti esse fds com o Fe e chorei também.. é muito lindo.. acabei comprando o livro! kkk beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol! É, eu gostei sim, e obrigada por oferecer os demais desse autor, é que agora eu já emendei a leitura de outro que estava lá em casa, rs,rs,rs.
      E se você quiser ir lá em casa dar uma olhada nos que eu tenho, fique a vontes!
      Pois é, se eu chorei com o filme...
      Você tá que tá com livros heim? Saiba que eu e uma amiga temos um grupo (ok ele é imaginário) chamado LCA – Leitores compulsivos anônimos. É para pessoas, como ela, como eu e agora como você, que não resisti a compra de um livro mesmo com uma pilha deles para ler em casa. =)

      Excluir

Oi?